UERJ
Logo IEFD

Conselho DepartamentalHistoricoDepartamentosLaboratorios
Graduação

Pós-Graduação

Extensão

Linha de Pesquisa 'Atividade Física e Hipertensão'


Apresentação
Linhas de Pesquisa
Contato

Coordenador: Prof. Dr. Paulo T.V. Farinatti
Estudantes Envolvidos: 10
(Graduação - 8; Mestrado - 1; Doutorado - 1)

Introdução

A hipertensão é uma condição mórbida presente em grande parte dos adultos, com alta associação com doenças cardiovasculares (Ramachandran et al., 2001). De acordo com o site do DATA-SUS, no Brasil parece que como causa isolada a hipertensão seja a doença mais prevalente no adulto em diversas regiões, consistindo na primeira causa de aposentadoria por doença e relacionada a 40% dos óbitos. Segundo o Joint National Committe VI (1997), o estágio 1 de hipertensão é o de maior prevalência na população como um todo. Conseqüentemente, os riscos atribuíveis à hipertensão assumem uma maior amplitude nos pacientes enquadrados nesse estágio. Tais dados têm implicações importantes para a prevenção e tratamento da hipertensão na comunidade, já que a maioria das doenças relacionadas à hipertensão ocorrem nesta faixa de pressão arterial. São muitas as estratégias de intervenção capazes de fornecer meios de tratamento da hipertensão. Dentre elas, podem ser citadas algumas modificações no estilo de vida, como hábitos dietéticos e volume de atividades físicas (Joint National Committe VI, 1997). No que diz respeito especificamente à atividade física, estudos epidemiológicos vêm identificando significativa associação inversa entre sua prática regular e a incidência ou risco de desenvolvimento da hipertensão. De fato, há evidências de que o treinamento com exercícios de endurance acarretam, em médio e longo prazos, uma redução média de 10 mmHg nas pressões tanto sistólica como diastólica (ACSM, 2000). Dessa forma, perece-nos razoável recomendar o exercício como estratégia terapêutica importante para indivíduos hipertensos.

O Programa de Exercícios do CLINEX-HUPE

Os estudos que fazem parte desta linha de investigação estão relacionados ao programa de atividades físicas extra-muros desenvolvido na Clínica de Hipertensão do Laboratório de Fisiopatologia Clínica e Experimental (CLINEX), do Hospital Universitário Pedro Ernesto (HUPE). O programa foi implantado em 1999, atendendo hoje mais de 50 pacientes, a maior parte deles acompanhados há mais de dois anos. Além disso, ofereceu campo de estágio e treinamento a 12 alunos do curso de graduação em Educação Física, alguns deles inseridos no mercado de trabalho em atividades similares ao que realizavam na Clínica. Finalmente, foram produzidos relatórios de pesquisa na forma de apresentações em congressos, artigos em periódicos especializados e memórias de licenciatura. A partir deste ano, duas dissertações de mestrado começam a ser desenvolvidas com base nos dados obtidos no programa. O programa insere-se em uma intervenção multidisciplinar, que envolve profissionais de várias áreas da saúde, do HUPE, sendo desenvolvido na Clínica de Hipertensão do CLINEX. Os pacientes são submetidos a um programa de atividade física de caráter fundamentalmente aeróbio, de leve a moderada intensidade (40-70% do VO2 máximo ou 60-80% da freqüência cardíaca máxima), no mínimo de três vezes por semana com duração de 30 minutos por sessão. As sessões de treinamento são realizadas na forma extra-muros, no local de preferência do paciente e no horário que lhe for mais conveniente. No primeiro atendimento, cada paciente é submetido a uma avaliação, composta por um questionário sobre seu nível habitual de atividade física. Em seguida, são realizadas avaliações antropométricas (peso corporal, estatura, relação cintura-quadril e dobras cutâneas), verificação do nível de flexibilidade e aptidão cardiorrespiratória (através do teste submáximo de Åstrand adaptado, com o auxílio de um cicloergômetro de frenagem mecânica da Monark). A verificação da pressão arterial e da FC é feita antes do teste submáximo (em repouso), durante e após o mesmo. Em seguida à avaliação, o paciente recebe todas as orientações e informações necessárias para a realização dos exercícios de forma autônoma. Seguindo a orientação dada no atendimento, os pacientes realizam caminhadas com freqüência semanal de três vezes, em dias alternados, no local e horários de sua preferência, realizando após a mesma exercícios de alongamento. Ao término de cada sessão, os pacientes preenchem uma ficha informando os dias, horas, freqüência cardíaca a cada dez minutos de caminhada, bem como dão uma nota que varia de zero a dez (Escala de Borg) para a sensação subjetiva do esforço. Periodicamente, são feitas reavaliações semelhantes à descrita acima, visando verificar quais são os benefícios que a atividade física tem produzido no paciente. O dados coletados nos últimos três anos indicam que o programa tende a exercer impacto positivo sobre diversas variáveis da aptidão física do paciente, assim como sobre o volume de atividades físicas cotidianas e a própria pressão arterial (Luz, 2001; Mattos et al., 2001). No entanto muitas dúvidas persistem e pretende-se aumentar o esforço de investigação em respeito a elas: por exemplo, precisa-se compreender mais sobre os fatores que predispõem à adesão ao programa e é necessário formar grupo controle para um delineamento experimental mais substancial. Finalmente, pretende-se selecionar um grupo de pacientes para prescrição intra-muros, de forma a comparar-se ambos os tipos de intervenção quanto à sua eficácia

Estudos na área 'Atividade Física e Hipertensão'

  • Estudo dos Fatores de Adesão e Evasão do Programa Extra-Muros de Atividade Física para Hipertensos no CLINEX-UERJ

O propósito deste estudo consiste em investigar, junto aos pacientes do programa de atividades físicas para hipertensos desenvolvido na Clínica de Hipertensão da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (CLINEX), quais as suas opiniões sobre os pontos positivos e negativos do mesmo e quais as razões que os levam a aderir ou a evadir-se do programa. Para atingir estes objetivos, apresentam-se algumas questões a serem investigadas:
a) os pacientes têm consciência dos benefícios da atividade física em relação ao seu organismo de forma geral e, particularmente, em relação à hipertensão arterial?;
b) para os pacientes, quais os fatores que influenciam positiva ou negativamente a adesão ao programa?;
c) quais as estratégias utilizadas pelo programa que motivam ou desmotivam os pacientes a continuarem nele engajados?

  • Evolução das variáveis de aptidão física, pressão arterial e volume de atividades físicas dos pacientes engajados do programa de exercícios do CLINEX

O presente projeto tem por objetivo testar a influência do programa extra-muros de atividades físicas do CLINEX sobre a pressão arterial, variáveis de aptidão física (composição corporal, flexibilidade e capacidade cardiorrespiratória) e hábitos de atividade física em adultos com pressão normal alta e hipertensão estágios I e II.

  • Comparação dos resultados do programa extra-muros do CLINEX com tipos diversos de programas intra-muros (formal e ginástica)

O presente estudo tem por objetivo testar a eficácia de programas de atividades físicas na redução da pressão arterial, nas modificações dos hábitos de atividade física, nas variáveis bioquímicas e de aptidão física em adultos de ambos os sexos com pressão arterial normal alta e hipertensão estágio I e II. Logo, são acompanhadas variáveis como pressão arterial, perfil bioquímico sangüíneo, aptidão física, volume de atividades físicas e conhecimento sobre prescrição do exercício, em decorrência de programas de exercícios formais e domésticos, administrados pela Clínica de Hipertensão do CLINEX e pelo setor de ergometria do HUPE.

[Topo] - [Linhas de Pesquisa]